INICIATIVAS SUSTENTÁVEIS

Crédito de Carbono

A constante preocupação com o meio ambiente levou os países da ONU a assinarem o Protocolo de Kyoto, acordo que estipulou metas de redução das emissões de gases de efeito estufa e criou o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), que prevê a redução certificada destas emissões.

Outra certificação que pode gerar créditos de carbono é o Certificado de Energia Renovável emitido pelo I-REC (International REC Standard), sistema global que possibilita o comércio de certificados de energia renovável.

A Atiaia Energia conquistou estas certificações e já comercializou mais de 330 mil toneladas de crédito de carbono gerados a partir da energia produzida nas PCHs Porto das Pedras e Garganta da Jararaca.

Certificado de Energia Renovável

A Atiaia Energia faz parte do seleto grupo de controladoras que possuem empreendimentos certificados no Programa de Certificação de Energia Renovável aptos a emitir RECs (Certificados de Energia Renovável).

A PCH Porto das Pedras recebeu a Certificação em Energia Renovável, iniciativa conjunta da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica) e da Associação Brasileira de Energia Limpa (Abragel) que certifica empreendimentos de geração e consumo de energia renovável que, além de cumprir as exigências legais às quais estão sujeitos, desenvolvem programas socioambientais voluntários, que ratificam seus compromissos com a sustentabilidade.

Escada de Peixe

A Atiaia Energia é pioneira no Centro-Oeste em adotar o Sistema de Transposição de Peixes (STP) em PCHs, que permite a migração dos cardumes na época da piracema.

A PCH Paranatinga II dispõe do sistema, estrutura similar a uma escada construída para permitir que os peixes ultrapassem as barreiras e saltem ou percorram uma série de obstáculos relativamente baixos para acessar as águas do outro lado. Equipada com câmeras instaladas em um compartimento com parede de vidro, é possível monitorar 24 horas por dia toda a movimentação dos cardumes.

Estudo da Ictiofauna

A Atiaia realizou diversos estudos para observar o processo reprodutivo das espécies de peixe que servem de alimento pra as populações ribeirinhas, as aldeias do povo Xavante e as tribos do Parque Indígena do Xingu, todas no entorno da PCH Paranatinga II.

O inventário de espécies de peixes existentes no rio Culuene é um dos mais completos realizado em um rio brasileiro. O trabalho foi coordenado pelo Museu de Zoologia da USP, com a participação das universidades do Mato Grosso e Minas Gerais. Mais de 250 espécies foram catalogadas, entre elas 20 que eram desconhecidas.

Memória Ancestral dos Indígenas

Este prêmio, concedido pelo IPHAN, é um dos mais importantes na área de proteção ao patrimônio cultural e histórico do Brasil.

Em 2008, o prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade contemplou o projeto que, com apoio da PCH Paranatinga II, levou ao tombamento e preservação de duas áreas indígenas do Alto Xingu, no Mato Grosso. Ali, nos sítios sagrados de Sagihengu e Kamukuwaká, teria ocorrido o primeiro Kuarup, ritual realizado pelas tribos do Xingu.

Proteção de Sítios Arqueológicos

Um programa diferenciado da PCH Porto das Pedras em um abrigo sobre rochas denominado Alto Sucuriú identificou um sítio arqueológico que veio a ser considerado um dos mais antigos do Brasil. Para proteger o local, repleto de pinturas rupestres, foi feito monitoramento arqueológico, com escavações específicas, programa de educação patrimonial, produção de vídeo didático e cartilhas. O sítio foi isolado e resguardado, tem mata nativa protegida, e a área é considerada de preservação permanente da PCH.

Regime a
Fio d'água

Todas as usinas da Atiaia Energia operam em regime a fio d'água, onde o nível da água no reservatório é regulado automaticamente, mantendo-se constante. Assim, o fluxo da água no rio não é alterado porque a vazão que chega na barragem passa para a jusante.